Desafio sobre duas rodas: cicloturistas contam suas aventuras nas estradas do Brasil e além das fronteiras

Nathalia Barboza/ março 4, 2017/ Personalidades

Por Dorivândia Ribeiro, do Blog Destino Família

Para os apaixonados por bike, não existem limites nem fronteiras. É cada vez maior o número de cicloturistas que se aventuram seja para fazer novos amigos, conhecer lugares diferentes, desbravar caminhos, fortalecer os laços afetivos e até divulgar a arte do cinema.

Para o casal Ivan e Marisa Oliveira, que fez a primeira viagem de bicicleta no início do ano, foi uma experiência única e um ganho para o relacionamento afetivo entre marido e mulher.

O casal encarou 210 km numa tandem

Eles haviam se programado para fazer o trajeto de Maceió (AL) a Recife (PE); chegaram até a comprar as passagens e ir para o aeroporto. Mas a companhia aérea se negou a despachar a tandem (um modelo de bicicleta para duas pessoas, afinal, eles levaram bem a sério esta ideia de pedalar a dois). A GOL alegou que a bike não estava embalada de acordo com os critérios estabelecidos pela transportadora aérea e que, portanto, a empresa não teria como despachar a carga.

Pausa para conferir as regras…

Conhecer as exigências das aéreas na hora de despachar uma carga especial é importante.

De acordo com as normas exigidas pela companhia aérea, para ser despachada, a bicicleta deve ter os pedais removidos, o guidão estar paralelo ao quadro ou ambos embalados em espuma de plástico ou material semelhante. A roda dianteira deve ser removida, e o veículo embalado em caixote, case, caixa de papelão, caixa original ou embalagem de plástico resistente.

A carga deve ter 292 centímetros, somando altura, largura e comprimento.

Novo destino a dois

Foi uma frustração para o casal, mas como eles já haviam se organizado para viajar, então pensaram em outro roteiro. Decidiram fazer o percurso de 210 km entre Brasília (DF) e Goiânia (GO). Viagem esta que estavam acostumados a fazer de carro, uma vez que a capital goiana é a cidade de origem dos dois.

Para Ivan, foi a realização de um sonho e uma excelente oportunidade para conhecer melhor as cidades que ficam no caminho entre as duas capitais. Apesar de conhecerem o percurso de cor e salteado, eles nunca haviam parado para conhecer as localidades.

A intenção era fazer em 2 dias, mas a viagem durou 4. Parte da rodovia que liga Brasília a Goiânia é formada por subidas, algumas bem íngremes. De acordo com Ivan, uma tandem é, em média, 12 kg mais pesada que uma bicicleta convencional e requer um esforço bem maior na subida, em compensação na descida ela pode alcançar mais de 80 km/h.

Ivan escolheu pedalar em uma bicicleta com dois bancos para que Marisa acompanhasse melhor o seu ritmo e se sentisse mais segura. A tandem importada foi comprada em 2016, quando iniciaram os preparativos para a viagem entre Recife e Maceió, que não deu certo.

No primeiro dia de viagem, apesar de terem saído tarde de casa (por volta das 10 horas), eles conseguiram rodar 81 km. Quando pararam estavam muito cansados e com as pernas bem doloridas, como não tinham pressa para chegar ao destino e queriam curtir o passeio, eles decidiram reduzir o ritmo e parar para descansar e conhecer todas as cidades no caminho.

Ivan lembra que quando chegaram em Abadiânia, o segundo pouso da viagem, o hotel não tinha lugar para guardar a bicicleta, então eles resolveram colocá-la dentro do quarto. “Ficou um pouco apertado, mas pelo menos a bicicleta ficou protegida”, brincou o cicloturista.

A tandem dormiu no quarto com eles. Ficou apertado, mas foi mais seguro

Vale a pena antes de programar a viagem fazer uma pesquisa para saber se os hotéis nas cidades que serão pontos de parada possuem um espaço seguro ou bicicletário para guardar a bike.

Como foi a preparação…

Nos dias que antecederam a viagem, sempre que tinham um tempinho livre, o casal fazia longas distâncias no entorno do Distrito Federal, para obter condicionamento físico e psicológico.

Compraram um reboque de viagem para a bicicleta, levaram barraca, pertences pessoais, pneu reserva, câmara de ar reserva, remendo e alimentos, como geleia de mocotó, batata cozida no sal e muita água.

Segundo Ivan, foi um grande desafio e uma aventura, uma vez que a viagem para Goiânia foi improvisada e não tão bem programada como a que pretendiam fazer no nordeste.

Aventura sobre duas rodas

Mas não é só o casal goiano que curtiu uma aventura pedalando por aí.

Amante da natureza e louco por trilhas e cachoeiras, o turismólogo Cristiano de Araújo encarou rodovia, estrada de chão e uma trilha na mata para chegar de bicicleta a Pirenópolis, localizada a 115 km de Brasília. “Fiz a viagem quando estava voltando a praticar atividade física. depois de permanecer um tempo parado. A viagem me abriu os horizontes para voltar à vida esportiva”, disse.

Cristiano partiu para a aventura com mais 14 pessoas. Eles contrataram uma van para servir de apoio até Santo Antônio do Descoberto (GO), município a 50 km de Brasília, na saída pela BR 170, de lá eles pegaram estrada de chão e em seguida a trilha fechada até Pirenópolis. Foram entre 4 e 5 horas de viagem e muita adrenalina.

Desde então, Cristiano não parou mais de pedalar. Sempre que tem oportunidade faz longos trechos na região centro-oeste.

Recentemente, foi convidado por um primo para uma viagem de bicicleta até Aparecida do Norte (SP). O primo vai pagar uma promessa, mas Cristiano ainda não sabe se poderá acompanhá-lo.

Pensando bem, só benefícios…

O cicloturismo é uma atividade que traz inúmeros benefícios para o corpo e a mente. De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), para sermos considerados não sedentários precisamos de 150 minutos de atividade física moderada por semana, ou seja, 30 minutos por dia.

A bicicleta é uma opção interessante para colocar isso em prática por ser um exercício democrático, que pode ser praticado por pessoas com condicionamentos físicos diferentes.

Pedal e cinema: é o Ciclocine

A questão de melhoria da saúde foi o que moveu o massoterapeuta Fabio Moraes a praticar o ciclismo, desde que descobriu, aos 18 anos de idade, que estava hipertenso.

Começou a pedalar e não parou mais. Fez a primeira viagem com percurso mais longo em 2007: viajou de Fortaleza (CE) a Maceió (AL). Até que o Brasil ficou pequeno para Fabio, e então ele resolveu cruzar a fronteira e conhecer de bicicleta cidades do Peru e Bolívia.

Lembrança da primeira grande viagem: Fortaleza (CE)

Rodou mais de 4 mil km e teve a oportunidade de passar por lugares incríveis, como o Salar de Uyuni, um deserto de sal no sul da Bolívia.

Após mais de 4 mil km, a chance de vivenciar o incrível Salar de Uyuni, deserto de sal no sul da Bolívia

Desde que iniciou suas viagens, Fabio passou por diversos municípios, povoados e vilarejos no interior de vários Estados. E pensou que poderia levar um pouco de lazer e cultura para essas comunidades.

Com este objetivo, ele criou, em 2012, o Ciclocine, um jeito de levar o cinema ao ar livre aos mais distantes lugares. Nas suas viagens, ele carregava um retroprojetor e reproduzia curtas-metragens em praças ou em frente às igrejas.

Na primeira viagem para divulgação do Ciclocine, ele embarcou de Brasília para Ilhéus (BA) carregando todo o material em uma mochila nas costas, tudo chegava a pesar 70 kg.

Foram 1.700 km de estrada, um mês de viagem e reproduções da comédia Jeca Tatu, com Amácio Mazzaropi, além de curtas-metragens de livre exibição.

Na segunda turnê, realizada recentemente no estado de Minas Gerais, Fabio  improvisou um reboque para carregar todo o equipamento.

Desta fez as apresentações lhe proporcionaram maior emoção, pois aconteceram no povoado de Douradinho, onde seus pais nasceram, e em Machado, na escola onde seus pais estudaram. “O melhor que você pode fazer por uma pessoa é inspirá-la”, afirmou Fabio, ao destacar o significado daquele momento para ele.

“Não tem nada mais relevante do que poder contribuir com a divulgação da cultura e ver a alegria estampada no rosto do público”, completou.

Infelizmente, por falta de incentivos e patrocínio, Fabio teve que abrir mão do Ciclocine. Mas o cicloturismo continua fazendo parte da vida do massoterapeuta, que já planeja uma nova viagem para este mês de março. Desta vez, os destinos serão Paraguai, Argentina e Chile.

Programe-se

É importante lembrar que para a prática do cicloturismo, além de um bom condicionamento físico, é necessário planejamento.

Antes de iniciar a viagem é importante traçar um roteiro, programar os pontos de parada, mesmo que sejam em acampamentos e carregar todas as ferramentas necessárias para a manutenção da bicicleta.

Leve muita água e alimentos, como barras de cereais, castanhas e suplementos para suportar o trajeto.

Evite viajar à noite, e procure fazer amizades por onde passar. Boa pedalada!

Comentários

Comentários